Sete dicas para contratar um cuidador de idosos.

Tempo de leitura: 5 minutos

O ato de cuidar de um familiar idoso é algo prazeroso e as maiorias das pessoas que o fazem experimentam uma sensação boa de dever cumprido. Mas o que fazer quando as necessidades de cuidados de seu ente querido excedem a sua capacidade de fornecê-lo? A rotina de um cuidador exige grandes esforços físicos para atividades como banho, transferências, locomoção, exercícios físicos e outras.

Dito isso, fica evidente a necessidade de introdução de uma segunda pessoa para auxiliar a rotina de cuidados do paciente. Esta ajuda poderá partir de um familiar ou mesmo de um cuidador de idosos profissional.

É preferível que este revezamento seja feito com os demais familiares devido à proximidade afetiva, mas muitas vezes isso não é possível, e a contratação de um cuidador de idosos profissional torna-se necessária. Acontece que as maiorias das pessoas não fazem a mínima ideia de onde procurar este profissional, não sabem o quê levar em consideração antes de uma contratação e outros aspectos importantes.

Portanto, nos próximos parágrafos darei sete dicas importantes para que você encontre a pessoa certa para esta tarefa tão importante.

1 – Antes de sair à procura defina quais as necessidades do paciente e da família. É importante definir quais são as necessidades do paciente para que a contratação não seja equivocada. Pacientes que exigem cuidados de maior complexidade, a escolha de um enfermeiro ou técnico em enfermagem seria a melhor opção. Se a necessidade for somente para auxilio no banho, vestir-se, administração de medicamentos (sob orientação médica), preparo da refeição, acompanhamento em consultas médicas um cuidador profissional já atenderia suas necessidades.

Quando falamos em necessidades também devemos pensar na rotina familiar e definir alguns pontos que serão explanados ao cuidador no momento da entrevista. Estando tudo de acordo e formalizado inicia-se a prestação do serviço. Digo isso, pois as maiorias das famílias possuem a necessidade de que o contratado também realize pequenos afazeres domésticos, vale ressaltar que o bom senso deverá ser utilizado pela família ao definir a quantidade de tarefa. Importantíssimo que tudo seja colocado em um contrato para que ambos estejam amparados

2- Após definido o tipo de profissional (Enfermeiro, técnico em enfermagem ou cuidador). Tenha em mente alguns pré-requisitos que muitas vezes passam despercebidos como:

· Necessidade de o profissional possuir carteira de habilitação. É importante em situações como acompanhamento em consultas médicas, levar para fisioterapia, fazer compras, pagar contas e etc.
· Capacidades de realizar procedimentos básicos como: aferir pressão, medir glicemia, operar outros equipamentos e etc. Certifique-se que o cuidador saiba realizar estes procedimentos e caso tenha dificuldades solicite treinamento de um profissional.
· Porte físico do cuidador. É importante, pois dependendo o peso do paciente e seu grau de comprometimento as transferências poderão ser comprometidas.
· Definir comportamentos inaceitáveis como: Tabagismo, vestimentas inadequadas, atrasos. Enfim, cada família terá sua particularidade.
3- Saiba onde procurar. A melhor forma de se encontrar uma pessoa de confiança é através de indicação de amigos e familiares. Você pode ter um vizinho ou amigo que pode ser um potencial cuidador. Caso pertença a alguma igreja pergunte ao seu pastor, padre ou ministro, faça com que as pessoas saibam que você esta à procura de um cuidador. Tenha em mente que o maior pré-requisito de um cuidador é ser responsável e amável, a parte técnica poderá ser treinada.

Procure em hospitais, casas de repouso e instituições de longa permanência, pois é comum que profissionais que trabalham nestas instituições costumem realizar plantões extras para complementar sua renda.

Outra opção seria contratar uma agência especializada no gerenciamento de cuidadores.

Em último caso recorra à anúncios em classificados de jornais e rádio, digo em último caso pois caso isso seja realmente necessário saiba que surgiram uma infinidade de candidatos. Portanto, a triagem e avaliação destes candidatos despenderão maior tempo e atenção.

4 – Prepare-se para a entrevista. Faça uma lista de perguntas a serem feitas; caso tenha contratado uma agência peça para conversar pessoalmente com o profissional escalado e faça seus próprios questionamentos. Sempre observe as interações entre o candidato e o paciente. Dê preferência para profissionais que tenham curso de capacitação específico para cuidador. Convide um amigo ou membro da família para participar da entrevista para fornecer uma segunda opinião.

5 – Verifique as referências. Este é um dos pontos mais importantes de uma contratação. Solicite no mínimo três, caso houver mais referências melhor, e verifique-se que se trata de uma pessoa confiável e qualificada.

6 – Verifique os antecedentes criminais do candidato. Com o nome, RG e número do CPF do candidato em mãos, dirija-se até o fórum de sua comarca e verifique seus antecedentes criminais. Caso esteja contratando uma agência peça-lhes uma cópia do documento. Toda precaução é pouca, afinal, você está contratando uma pessoa que trabalhará dentro de sua casa e que passará a maior parte do dia com uma das pessoas mais importantes de sua vida.

7 – Desenvolva um contrato de trabalho. Esta parte burocrática aconselha que seja feita por um contador. Após as mudanças nas leis trabalhistas do empregado doméstico alguns pontos continuam obscuros para a população e acredito que um profissional familiarizado com contratações seja a melhor alternativa. Todos os trabalhadores domésticos foram incluídos na nova PEC das domésticas, inclusive os cuidadores de idosos.

É questão de tempo para que uma lei específica para o cuidador de idosos seja aprovada. Já tramita no Congresso Nacional – e foi aprovado pelo Senado Federal, aguardando aprovação na Câmara Federal – o projeto de lei do Senador Waldemir Moka, que regulariza a profissão de Cuidador da Pessoa Idosa (PLS – Projeto de Lei do Senado, Nº 284 de 2011). Enquanto não é regulamentada a lei dos Cuidadores de Idosos, o que vale é o que está escrito na PEC das domésticas. Isto é assunto para um próximo post.

Estas foram algumas dicas de o que levar em consideração antes de se escolher um cuidador para a linda missão de proporcionar uma melhor qualidade de vida ao seu familiar.